Páginas

27 março 2015

HISTÓRIA E CURIOSIDADES SOBRE PERFUMES

Origem do perfume  deu-se no Egito Antigo, onde os faraós e membros da corte o utilizavam para se aproximarem dos deuses, que eram invocados por meio de rituais que utilizavam incensos e iguarias aromáticas, que deveriam levar mensagens por meio da fumaça produzida.

A palavra perfume vem de “per fumum”, ou através do fumo, de onde eram obtidas as primeiras fragrâncias aromáticas.
O perfume é tão antigo quanto o homem, e sua múltipla utilização quase sempre acompanhou o desenvolvimento das civilizações
Os perfumes classificam-se, segundo o Comitê Francês do Perfume, em sete grupos fundamentais:
Amadeirados:
São notas suaves como o sândalo e o patchouli, algumas vezes secas como o cedro e o vetiver. A princípio se constituem, na maioria das vezes, com notas de lavanda e notas cítricas.
Âmbar:
Muitas vezes chamados de “orientais”, fazem parte desse grupo os perfumes com notas suaves e abaunilhadas.
Cítricos:
São óleos obtidos da casca de frutas como a bergamota, o limão e a laranja.
É nesse grupo que se encontram as primeiras  Águas de Colônia.
Chipre:
Esse termo provém do perfume assim batizado por François Coty em 1917.
O êxito de Chipre o tem convertido no pai de uma grande família que reagrupa perfumes baseados principalmente nos acordes do patchouli, da bergamota e da rosa.
Couro:
Trata-se de uma fórmula muito particular por ser um perfume diferente da maioria. Com notas secas (às vezes muito secas), tentam reproduzir o odor característico do couro, da madeira queimada e do tabaco.
Filifolhas (feto):
Compreendem um acordo entre notas de lavanda, bergamota, gerânio etc.
Florais:
Família de grande importância agrupa perfumes cujo tema principal é a flor. Se subdividem em bouquet floral, floral verde, floral aldeídico, floral amadeirado, entre outros.





















Nenhum comentário:

Postar um comentário