Páginas

15 janeiro 2013

Auto Esitma

Com este site procuramos trazer às pessoas depressivas, não necessariamente a cura, mas o conflito dos seus conflitos existenciais e a conscientização de que somente pelo auto-conhecimento, caminhos alternativos poderão surgir. A forma como nos sentimos acerca de nós mesmos é algo que afecta crucialmente todos os aspectos da nossa experiência desde a maneira como agimos no trabalho, no amor e no sexo, até o modo como actuamos como pais e como amigos, e até onde provavelmente subiremos na vida. As nossas reacções aos acontecimentos do quotidiano são determinadas por quem e pelo que pensamos que somos. Os dramas da nossa vida são reflexo das visões mais íntimas que temos de nós mesmos.

Além de problemas biológicos, não conseguimos pensar em uma única dificuldade psicológica - da ansiedade ao medo da intimidade ou do sucesso, ao abuso de álcool ou drogas, às deficiências na escola ou no trabalho, ao espancamento de companheiros e filhos, às disfunções sexuais ou à imaturidade, ao suicídio ou aos crimes violentos - que não esteja relacionada com um proliferação de um espírito negativo. Muitos de nós sofremos de sentimentos de inadequação, insegurança, dúvida, culpa e medo de uma participação plena na vida - um sentimento vago de "eu não sou suficiente". Apesar de esses sentimentos nem sempre serem reconhecidos e confirmados de imediato, eles existem.


A procura da cura, das saídas, a luz ao fim do túnel, exige uma longa caminhada e certamente nunca fácil. Em suma, a doença é nossa e cabe a nós mesmos assumi-la. É um estandarte que outra pessoa não poderá carregar e no máximo, ela apenas poderá compartilhar da nossa viagem. Avalie como andam os seus relacionamentos, seja em casa, na sociedade ou no trabalho.

Alguma coisa mudou? Até que ponto aprecia a sua tristeza? Sente-se só e abandonado? O que faz para que as pessoas se afastem de si? O seu humor varia com frequência? Quando troca apenas algumas palavras já sente a necessidade de agredir o seu interlocutor? Ou já não existe diálogo? O seu mundo está mudo? O que tem feito para manter os seus relacionamentos? Está amargo e a vida não tem sentido? O que espera da sua amizade, do seu amor e dos seus sonhos? Como compartilhar o que não tem para dividir?

Nenhum comentário:

Postar um comentário